Header image alt text


Tributo a Sidónio Pereira

Faleceu, no dia 5 de março, o guitarrista de renome internacional Sidónio Pereira, músico, que colaborou com a Escola do Fado do CCRAM.

Aqui fica o nosso tributo a este músico que, embora de forma breve, colaborou no projeto cultural do CCRAM

Sidónio Pereira integrou o Projeto Escola do Fado, do CCRAM. Este projeto, iniciado em finais de 2012, teve como objetivos promover a descoberta de novas vozes do Fado ensinando os alunos “a cantar, a viver e a sentir com alma o Fado”. Este músico foi ainda o dinamizador das Tertúlias Fadistas realizadas a 7 de abril e a 5 de maio de 2013 e abrilhantou o 38º Aniversário do CCRAM acompanhando à guitarra alguns alunos da Escola de Fado.

 

Nascido em Santiago do Cacém, autodidata, aprendeu a tocar guitarra portuguesa aos dez anos. Participou em diversos grupos de música rock mas foi no fado que se evidenciou. Acompanhou à guitarra artistas como Deolinda Rodrigues, Fernando Maurício e Nuno da Câmara Pereira e trabalhou também no teatro de revista.

Gravou entre outros trabalhos: “Guitarra portuguesa – Musique do Pays de Fernando Pessoa”, a sua primeira obra;em 1994; “El roce de las almas”, em 1999 no âmbito do projeto “Flamenfado” lançado conjuntamente com Miguel e Juan Vargas (família Vargas) juntando duas formas de expressão tradicionais ibéricas – fadoe flamenco; “Atlanticidades”, produzido para a Expo 98; “Fados à la Carte”, em 2003,  “Narração Exacta”, em 2012, que lhe valeu o prémio de melhor vídeo “worldmusic “ da Balcony TV Global (Nova Iorque) para o tema “Fadinho de Alcácer” e, em 2013, “Eligia”. Participou, igualmente, em trabalhos coletivos, nomeadamente, “Oceanos”, editado em 1997, “Fado Património da Humanidade”, em 2011 e “Fados e Canções de Coimbra”, em 2012.

O seu último projeto “Residências Artísticas de Fado”realizado em conjunto com o músico João Penedo e o poeta Nuno Miguel Guedes, no “Povo de Lisboa” onde era músico residente, teve por objetivo ajudar novas vozes do fado a “explorarem a sua identidade artística e a desenvolverem o seu repertório” dando-lhes a oportunidade de trabalharem durante dois meses com músicos de renome ligados a diversas áreas musicais e permitindo-lhes  conhecer a vertente mais tradicional do fado. Esse trabalho deu origem a 13 edições discográficas de alunos integrados no projeto e duas compilações “Fadistas do Povo I e “Fadistas do Povo II”, esta última lançada a 22 de fevereiro deste ano.